Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela SPGM.Saiba mais

Compreendi
Estudo de Impacto Economico Garantia Mutua SPGM
Sucessão Empresarial e Incremento de Escala SPGM Garantia Mútua Aquisição de participação social empresa
Linha Regressar SPGM Garantia Mútua Emigrantes Lusodescendentes
Empresas Brexit Financiamento SPGM Garantia Mútua Crédito
SPGM Garantia Mútua Linha Indústria 4.0 / Apoio à Digitalização
Capitalizar Mais - Novo SI Inovação SPGM
SPGMSPGM

Governo da Sociedade

O Fundo de Contragarantia Mútuo (FCGM) é gerido pela SPGM – Sociedade de Investimento, S. A., que, nos termos legais, foi designada sua sociedade gestora.

É responsabilidade da SPGM, portanto, elaborar as contas do FCGM, os seus relatórios de atividade anuais e dar cabimento a todas as demais obrigações a que o Fundo se encontre sujeito, nomeadamente decorrentes do facto de ser uma entidade financeira.

Após sujeitas a um processo de revisão por profissional qualificado, as contas e os relatórios anuais do Fundo são levados à apreciação do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal, entidade que, ao longo de cada exercício fiscal, acompanha e audita o funcionamento do FCGM. Obtido o parecer favorável do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal, as contas anuais e respetivo relatório são encaminhadas para aprovação por parte do Ministro das Finanças.

Independentemente deste processo de aprovação das contas do FCGM, existe um Conselho Geral com competência para acompanhar o funcionamento do Fundo e a quem cabe as seguintes principais responsabilidades:
  • aprovar, sob proposta da sociedade gestora do Fundo, os fatores de agravamento que, aplicados à taxa de base, permitam definir o quantitativo das comissões devidas ao Fundo pela contragarantia prestada às SGM, podendo ser definidas taxas de contribuição por SGM, refletindo realidades diferentes do ponto de vista do risco e das perdas registadas implícitas nas suas carteiras de garantias; 
  • apreciar as propostas de regulamentos relativos à atividade do Fundo, elaboradas pela sociedade gestora; 
  • deliberar sobre a tomada pelo Fundo de participações sociais em SGM, quando as circunstâncias o justifiquem, fixando, em função da situação dessa sociedade de garantia mútua, o valor a atribuir às suas ações. 
Têm assento no Conselho Geral do FCGM um representante do Ministro das Finanças, que preside e tem voto de qualidade, um representante de cada um dos ministérios que tutelam os setores representados no capital do Fundo, um representante da SPGM e um representante das sociedades de garantia mútua.