Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela SPGM.Saiba mais

Compreendi
Estudo de Impacto Economico Garantia Mutua SPGM
Sucessão Empresarial e Incremento de Escala SPGM Garantia Mútua Aquisição de participação social empresa
Linha Regressar SPGM Garantia Mútua Emigrantes Lusodescendentes
Empresas Brexit Financiamento SPGM Garantia Mútua Crédito
SPGM Garantia Mútua Linha Indústria 4.0 / Apoio à Digitalização
Capitalizar Mais - Novo SI Inovação SPGM
SPGMSPGM

Garantia Mútua

O que é a garantia mútua 

A Garantia Mútua é um sistema de apoio às empresas nacionais, através da emissão de garantias financeiras destinadas a facilitar o acesso ao crédito em condições mais adequadas aos investimentos e ciclos de atividade dessas empresas. 

Fazem parte deste sistema de apoio às empresas portuguesas:

Sistema Nacional Garantia Mútua SPGM

Para que serve a Garantia Mútua

Facilitar o acesso das empresas ao crédito bancário, em condições mais favoráveis do que aconteceria alternativamente sem Garantia Mútua. 

Aliás, o custo final que a empresa suportará por um financiamento bancário com Garantia Mútua tende a ser mais baixo do que seria o custo caso recorresse ao empréstimo do banco de forma individual.

De que forma?

Através do desenvolvimento de Linhas de Crédito garantidas, protocoladas com a generalidade das Instituições de Crédito que operam em Portugal, e que garantem melhores condições de preço e de prazo no financiamento da atividade das empresas nacionais.

A partilha de risco com outras entidades financeiras facilita o acesso das empresas ao crédito, libertando plafonds bancários e permitindo a obtenção de montantes, condições de custo e prazo adequados às necessidades, por norma com redução de outras garantias prestadas ao sector financeiro pelas empresas.

Como funciona a Garantia Mútua

Se a sua empresa pretende recorrer ao crédito bancário para financiar qualquer necessidade do seu negócio basta solicitar junto do seu banco uma solução de financiamento com Garantia Mútua.

Pode também consultar, diretamente, a Sociedade de Garantia Mútua que setorial e geograficamente seja mais próxima. A NORGARANTE na região Norte e Centro Norte, a GARVAL nos Açores e na Região Centro, a LISGARANTE, na Madeira e na Região Sul e a AGROGARANTE em qualquer parte território nacional mas, exclusivamente, para empresas do Setor Agroindustrial.

MAPA GARANTIA MÚTUA

A Garantia Mútua tem ao dispor da sua empresa 21 agências, em todo o país - encontre aqui a Agência mais próxima da sua empresa - e mais de 25 Soluções de Financiamento para o seu negócio, protocoladas com as principais Instituições Bancárias a operar em Portugal. 

Essas Linhas de Crédito com Garantia Mútua cobrem todas as necessidades de financiamento do seu negócio.

Após um primeiro contacto, e no caso de a necessidade de crédito poder ser acompanhada pelo recurso à Garantia Mútua, o banco e a Sociedade de Garantia Mútua irão trabalhar no dossier da empresa analisando o risco do negócio e da operação em concreto. 

Aprovada a operação de crédito (pelo banco) com Garantia Mútua (pela sociedade de garantia mútua envolvida), passar-se-á à fase de contratação da operação, o que incluirá a aquisição do estatuto de empresa mutualista por parte da empresa.

Vantagens da Garantia Mútua

O recurso ao mecanismo da Garantia Mútua permite à empresa aceder ao crédito bancário em condições mais favoráveis do que aconteceria alternativamente sem Garantia Mútua.

Aliás, o custo final que a empresa suportará por um financiamento bancário com Garantia Mútua tende a ser mais baixo do que seria o custo caso recorresse ao empréstimo do banco de forma individual.

A empresa terá sempre de pagar uma comissão de garantia à sociedade de Garantia Mútua a que tiver recorrido, ainda que na maioria das Linhas de Crédito com Garantia Mútua essas comissões de garantia sejam bonificadas pelo dotador da Linha, e também sejam isentas outras taxas e comissões habitualmente cobradas pelos Bancos e pelas Sociedades de Garantia Mútua. A empresa terá ainda que se responsabilizar por pagar o custo do financiamento bancário ao banco. A razão para que o somatório destes dois custos seja mais baixo do que o custo do empréstimo bancário sem Garantia Mútua pode ser explicado pelas seguintes razões:
  • o banco que empresta um determinado valor à empresa está consciente de que a obtenção de uma garantia por parte de uma SGM lhe permite uma relevante poupança de capitais próprios (de acordo com a legislação bancária aplicável), além de a Garantia Mútua ser uma garantia (ou colateral) da operação de crédito com um elevado nível de liquidez, pelo que o banco está disponível para praticar uma taxa de juro mais baixa do que praticaria se não beneficiasse da garantia da SGM;
  • além disso, e por regra, os bancos em Portugal e o Sistema Português de Garantia Mútua estabelecem protocolos de cooperação que, entre outros aspetos, regulam os níveis máximos de custos para as empresas que os empréstimos dos bancos com Garantia Mútua podem atingir, sendo estes mais favoráveis, geralmente, do que seriam os custos de um empréstimo sem Garantia Mútua
As empresas que têm recorrido ao mecanismo da Garantia Mútua reconhecem que a parceria com uma SGM é muito positiva, não só pelos aspetos competitivos acima referidos como, igualmente, pelo acompanhamento e aconselhamento que as equipas das SGM acabam por fazer em prol dos interesses e das necessidades da empresa. 

As empresas que acedem a crédito através da Garantia Mútua contam ainda com um especialista em matérias financeiras na SGM com que trabalham, colaborando de forma estreita quando se planeia a realização de investimentos com necessidades de capitais maiores ou quando, inversamente, as empresas passam por momentos menos favoráveis, a SGM pode também ser um relevante interlocutor.

Como funciona o sistema de mutualismo da Garantia Mútua

A Garantia Mútua funciona numa lógica de mutualismo, o que requer legalmente, que as empresas beneficiárias das suas garantias se tornem acionistas da sociedade de Garantia Mútua. 

Esta qualidade de acionista mutualista é obrigatória durante a fase em que a operação de garantia se encontre em vigor, podendo ser abandonada no seu final, através da venda das ações da Sociedade de Garantia Mútua (SGM) detidas pela PME. 

Adicionalmente, a empresa celebrará um contrato com a SGM, estabelecendo as suas obrigações durante o período de vigência da garantia, e que enumera, de igual modo, as responsabilidades assumidas pela SGM perante a empresa e perante o banco financiador.

Faça parte da Garantia Mútua e comece já a Multiplicar Valor.